Covid-19 traz incertezas para a cadeia global de carne suína



AUTOR

Cândida Azevedo

Prevê-se que o impacto da pandemia de Covid-19 nas cadeias globais de fornecimento de carne suína seja duradouro. Os desafios de produção, processamento, comercialização e consumo podem reformular o setor em conjunto, com as mudanças esperadas no acesso à mão-de-obra, crescente automação, mix de produtos e canais de distribuição nos próximos anos. A curto prazo, o aumento das incertezas pesará nas perspectivas para o fornecimento global de carne suína, gerando condições comerciais globais voláteis.

Prevê-se que o impacto da pandemia de Covid-19 nas cadeias globais de fornecimento de carne suína seja duradouro.

China

Os preços dos suínos vivos se recuperaram fortemente desde junho, passando do ponto baixo de  24 Renminbi / kg em maio para 38 Renminbi/kg no início de julho, alta de quase 50% em apenas um mês e meio. Os preços dos leitões abrandaram em maio, mas retomaram sua tendência de alta a partir de então, chegando perto de 100 Renminbi/kg no início de julho. O principal fator da forte recuperação é o baixo suprimento de suínos para abate como consequência dos surtos de Peste Suína Africana (PSA), que ainda não estão sob controle. Segundo a Rabobank, há uma estimativa de que a produção doméstica de carne suína cairá de 15 a 20% A/A em 2020. Embora a questão da oferta tenha sido parcialmente resolvida pelo declínio no consumo no primeiro semestre, se o consumo se recuperar gradualmente no segundo semestre, espera-se que a pressão suba rapidamente. Portanto, os preços devem permanecer em níveis altos ao longo do ano. Em segundo lugar, a resposta do preço pode ser atribuída às inspeções mais rigorosas da carne suína importada pela alfândega da China, após os novos casos Covid-19 no mercado atacadista de Pequim. Isso retardará as importações no terceiro trimestre e consequentemente aumentará os preços dos suínos produzidos localmente. Em terceiro lugar, as fortes chuvas e inundações nas últimas semanas atrasaram o abate de suínos em algumas regiões e aumentaram os riscos de o PSA (e outras doenças) se espalhar ainda mais durante o resto do ano.

Estados Unidos 

Os preços do quilo do suíno vivo nos EUA sofreram uma queda no início de julho (queda de 41% em relação ao ano anterior), uma vez que amplos estoques continuam pesando no mercado. O último relatório confirmou que a reserva de animais poderia levar vários meses para ser liberada, colocando pressão adicional sobre os preços de suínos. Os valores de mercado realizados para os suínos variam de acordo com a operação, mas, nos níveis atuais, estão bem abaixo do ponto de equilíbrio. Perdas dessa magnitude forçarão alguns produtores a reduzir completamente sua exposição ou saída. A Rabobank espera cortes adicionais no rebanho reprodutor (atualmente 6,3 milhões de porcas) para melhor alinhar a oferta e a demanda. Os ajustes esperados no estoque de criação também refletem melhorias contínuas de produtividade.

Apesar da contínua interrupção nos mercados globais, as exportações permanecem aquecidas – um aumento de 32% no acumulado do ano em comparação com o ano anterior. Quase todo o aumento foi impulsionado pela China. Os embarques para a China em maio aumentaram 347% e representaram 41% do total das exportações. Por outro lado, as exportações para a maioria dos outros destinos principais caíram em maio – as vendas para o México, Japão e Coréia do Sul caíram pelo menos 20% em maio. Espera-se que as vendas melhorem gradualmente à medida que as economias reabrirem, com recuperação da demanda. Também esperamos que os baixos preços dos produtos atraiam algum interesse de importação. Com base na perspectiva atual, espera-se que as exportações do ano inteiro fiquem abaixo das expectativas anteriores, mas ainda aumentem 18% em relação aos níveis do ano anterior.

 

Europa

No segundo trimestre de 2020, a Covid-19 adicionou muitas incertezas ao mercado europeu de carne suína, com o fechamento repentino e temporário de plantas e suspensões de exportação, e espera-se uma dinâmica semelhante durante os meses de verão. A produção de carne suína caiu 1,3% no acumulado do ano nos primeiros quatro meses na UE e no Reino Unido. Prevê-se alguma recuperação na produção para o segundo semestre de 2020, resultando em um declínio anual de cerca de 0,5% para a UE e o Reino Unido. Apesar das perturbações relacionadas à Covid-19, Espanha (+ 4%), Holanda (+ 4%), Dinamarca (+ 4%) e Reino Unido (+ 6%) registraram crescimento entre janeiro e abril de 2020. A Itália, no entanto , foi fortemente impactada pela pandemia da Covid-19, levando a um declínio na produção de -21% no acumulado do ano. Na Polônia, o declínio (-10% no acumulado do ano) pode ser atribuído tanto à Peste Suína Africana quanto à Covid19.

As exportações de carne suína da UE e do Reino Unido aumentaram 14% no acumulado do ano no período de  janeiro a abril de 2020. As exportações para a China aumentaram 16% em abril e 60% de janeiro a abril de 2020, em comparação ao mesmo período do ano passado. Todavia, as exportações também foram afetadas pela Covid-19. Esperamos que as exportações de carne suína estejam sob pressão nos próximos meses. Como a China toma medidas de precaução contra o Covid-19, as exportações das fábricas holandesas, alemãs, irlandesas, britânicas e italianas foram suspensas. Não se sabe com que rapidez essas plantas poderão retomar as exportações e se outras plantas serão suspensas no futuro.

Brasil

As exportações brasileiras de carne suína aumentaram no segundo trimestre de 2020, em grande parte como resultado do comércio com a China se recuperando dos desafios relacionados à Covid19 no primeiro trimestre. O total de embarques no primeiro semestre foi 37% maior em volume e 53% em receita. No mesmo período, as exportações para a China foram 150% maiores, atingindo um volume de 231.000 toneladas e representando 49% do total das exportações de carne suína. De acordo com o relatório da Rabobank, esse forte aumento nas compras chinesas, apesar da fragilidade econômica decorrente da Covid-19, é positivo para um país exportador como o Brasil.

A suspensão de plantas frigoríficas de exportar para a China nas últimas semanas colocou o mercado em alerta. Dois frigoríficos de suínos foram embargados e existe a possibilidade de suspensões adicionais. A perspectiva geral da China de reduzir as importações durante o terceiro trimestre também pesa no mercado, dado o crescimento das exportações para a China no primeiro semestre de 2020.

Por outro lado, o mercado doméstico continuou em queda, refletindo a deterioração das perspectivas econômicas. Com níveis de oferta superiores ao consumo doméstico, observa-se uma pressão contínua para diminuir a produção. No primeiro trimestre, a produção de carne suína foi 7,6% superior ao ano anterior e aumentou 0,6% em relação ao quarto trimestre de 2019. A produção mais alta também reduziu os preços da carne suína em abril em 23%, mas a partir de meados de maio, a oferta e a demanda estavam mais equilibradas e os preços começaram a subir. Isso ocorre porque a produção começou a cair no segundo trimestre e a demanda teve uma ligeira melhora, devido à flexibilização das medidas de quarentena em algumas regiões e também à distribuição de assistência financeira de emergência (R$ 600/mês) que o governo está oferecendo à população de abril a agosto.

Os custos com a alimentação continuam sendo a principal preocupação dos produtores de suínos. Isso ocorre porque a colheita da segunda safra foi afetada em algumas regiões. Além disso, as expectativas de maiores exportações no final do ano reduziram a oferta  de grãos e aumentaram os preços no mercado futuro. Em junho, os custos com alimentação foram 29% maiores.

Fonte: Rabobank.

 




Entrevistas +

Noticias sectoriales

 
 

Cadastro Newsletter Suino Brasil Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies