Enchentes na China soam alarme para risco de peste suína



AUTOR

Cândida Azevedo

Inundações no sul da China despertam a preocupação de novos surtos de peste suína africana, o que poderia atrasar o reabastecimento de suínos no maior produtor mundial de carne de suína.

As chuvas torrenciais e persistentes desde junho causaram as piores enchentes em décadas em áreas ao longo do rio Yangtze. Inundações em várias áreas submergiram propriedades, causaram afogamento de suínos, atrasaram a construção de novas propriedades e obrigaram agricultores a abater alguns animais, de acordo com pesquisa realizada por um portal do setor.

Não se sabe quantos suínos foram perdidos nas enchentes. Agricultores foram os mais atingidos nas províncias de Hubei, Jiangxi, Hunan e Anhui, que têm um plantel de aproximadamente 20 milhões de suínos, mais da metade deles criados em pequenas propriedades, segundo a pesquisa.

O plantel de suínos da China somava 340 milhões no fim de junho. A maioria dos 200 suinocultores pesquisados disse que as inundações atrasariam o reabastecimento, e alguns sofreram enormes perdas financeiras.

O plantel de suínos nessas províncias caíram pelo menos 7% em julho em relação a maio, em parte devido à venda motivada por pânico de suínos com baixo peso, disse Zheng Lili, gerente-geral da Shandong Yongyi Consultant, em conferência online na quarta-feira.

Risco de doenças

Há uma boa chance de surtos mais amplos de peste suína, disse Pan Chenjun, analista sênior de pecuária do Rabobank. “Normalmente, inundações trazem maiores riscos de doenças”, disse. Surtos de peste suína africana, registrados pela primeira vez nos plantéis de suínos da China em 2018, dizimaram quase metade do plantel do país no ano passado.

Na quinta-feira, o Ministério de Gestão de Emergências pediu que as províncias mais atingidas colocassem em prática medidas para a prevenção de epidemias e desinfecção quando os níveis de água baixarem.

A Muyuan Foodstuff, segundo maior criador de suínos da China, disse que vê pouco impacto das inundações no sul, pois a maioria de suas propriedades na área ainda não está operando. A New Hope Group disse que o mau tempo atrasou a reprodução em algumas fazendas, mas o efeito geral foi pequeno, enquanto a Jiangxi Zhengbang afirmou que os planos de controle de inundações foram preparados com antecedência para evitar danos. A escassez de carne suína pode continuar a sustentar fortes preços domésticos até o primeiro trimestre de 2021, concluiu  Pan, do Rabobank.

Fonte: Bloomberg News.




Entrevistas +

Noticias sectoriales

 
 

Cadastro Newsletter Suino Brasil Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies