Queda no preço do suíno vivo neste mês é a mais intensa da série, aponta CEPEA



AUTOR

SuínoBrasil

Segundo informações divulgadas nesta quinta-feira, (30) pelo CEPEA – Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, o cenário de incertezas na suinocultura brasileira, devido à pandemia de covid-19, tem pressionado as cotações do animal vivo, que registram os menores patamares em um ano. Do lado da demanda, frigoríficos reduziram o ritmo de abate e adquirem novos lotes apenas quando há maior necessidade. Nas granjas, produtores negociam os suínos a preços cada vez mais baixos, no intuito de escoar a produção.

Ainda de acordo com o instituto, nesse cenário, o mês de abril se encerra com consecutivas desvalorizações do animal vivo – neste mês, inclusive, as quedas nos preços são as mais intensas das séries regionais do Cepea, iniciadas, em alguns casos, em 2002. Na região SP-5 (Bragança Paulista, Campinas, Piracicaba, São Paulo e Sorocaba), o suíno vivo tem média de R$ 4,35/kg na parcial de abril (até o dia 29), queda de 24,3% frente à de março. Em Patos de Minas (MG), a baixa foi ainda mais intensa: de 27% entre março e a parcial de abril, para R$ 4,16/kg neste mês.




Entrevistas +

Noticias sectoriales

 
 

Cadastro Newsletter Suino Brasil Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies